Projeto da Comusa é finalista em prêmio nacional da ONU

Projeto da Comusa é finalista em prêmio nacional da ONU

Publicado em 27/11/2019 - Editado em 05/12/2019
Guarde a Chuva é o único projeto do Estado em premiação promovida pelo Pacto Global
Crédito
Lu Freitas

A Comusa - Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo é finalista no Prêmio Cases de Sucesso em Água e Saneamento (ODS 6) 2019 - Rede Brasil, do Pacto Global da ONU, com o projeto “Guarde a Chuva - Cisternas nas Escolas”, projeto que já beneficia mais de 70 escolas municipais com minicisternas caseiras que armazenam água da chuva para utilizar ela em atividades escolares.

A autarquia foi uma das selecionadas na Categoria Ação Coletiva e a única representante do Rio Grande do Sul. Os premiados farão parte da publicação “Cases de Sucesso ODS 6”, que será apresentado no dia 11 de dezembro, em evento do Pacto Global, em São Paulo.

Para o diretor-geral da Comusa, Márcio Lüders, a indicação é resultado de um trabalho importante da autarquia voltado para a sustentabilidade e educação ambiental. “Desde que nos tornamos signatários do Pacto Global da ONU, passamos a dar ainda mais valor para ações que auxiliem na preservação do meio ambiente e no cuidado com a nossa água. O Guarde a Chuva é um projeto que leva essa noção de sustentabilidade para os alunos de escolas municipais que, com as cisternas, aprendem desde cedo a importância de aproveitarmos a água da chuva”, explica.

COMEMORAÇÃO - A servidora responsável pelo projeto, técnica química e educadora ambiental Milena Rossetti aponta que a escolha do Guarde a Chuva no prêmio reforça a importância da iniciativa. “Ele é um projeto pioneiro no Estado na questão do reaproveitamento de água da chuva e tem servido de modelo para outros municípios: estivemos recentemente em Gramado, São Leopoldo e já fomos contatados também por Porto Alegre. Agora está tendo um reconhecimento nacional. Estamos muito felizes”, comemora. “É uma cultura que precisa ser desenvolvida e que não temos na nossa região. Os alunos já vão crescer e se desenvolver pensando de forma sustentável.”

Além de finalista no prêmio da ONU, o Guarde a Chuva também faz do Water Action Hub 3.0, uma plataforma da ONU que disponibiliza mais de 940 projetos, desenvolvidos por 775 organizações ao redor do mundo. No Rio Grande do Sul, apenas três projetos fazem parte da iniciativa.

O que é?

O programa Guarde a Chuva tem o objetivo de incentivar a cultura do aproveitamento da água da chuva. As cisternas instaladas nas escolas são um instrumento pedagógico para trabalhar os cuidados com a água. Além disso, proporcionam convívio diário da comunidade escolar com o uso da água da chuva para fins não potável, criando assim o hábito do seu uso, consequentemente criando a cultura do aproveitamento desse recurso hídrico alternativo. O Guarde a Chuva iniciou em 2014 quando foram doadas 40 cisternas para as escolas públicas municipais. Ao todo, mais de 70 escolas já receberam minicisternas.