Corsan recusa proposta de pagamento apresentada pela Comusa sobre dívida da municipalização

Corsan recusa proposta de pagamento apresentada pela Comusa sobre dívida da municipalização

Publicado em 07/12/2018 - Editado em 07/12/2018
Crédito
Arte/PMNH

A Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) recusou a proposta de pagamento da dívida apresentada pela Comusa Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo. Os valores dizem respeito à municipalização do abastecimento de água, efetivada em 1998. Após duas décadas de discussões nos tribunais o processo chegou ao fim com ganho de causa da Corsan. Nos últimos meses, a Comusa havia aberto negociações com a empresa estadual.

O objetivo da direção da Comusa era encontrar uma equação para que a autarquia municipal assumisse os pagamentos de forma parcelada. “A direção da Corsan foi receptiva à negociação, porém, infelizmente não chegamos a um denominador comum. Nesse momento estamos avaliando como realizar o pagamento dos valores com os precatórios já gerados pela Justiça”, explica o diretor-geral da Comusa, Márcio Lüders.

A estimativa é de que os valores totais dos débitos com a Corsan cheguem a R$ 220 milhões. O primeiro precatório vencerá no dia 31 de janeiro com custo de R$ 2,3 milhões. Os demais precatórios começam a vencer apenas em 2020.

VALORES - A Comusa estuda agora como realizará os pagamentos dos valores que vencerão nos próximos anos. “Estamos buscando um formato que não comprometa a excelência dos serviços da Comusa e que nos mantenha com as tarifas mais baixas da região, o que já ocorre atualmente. Estamos em fase final desses estudos para viabilizar a quitação dos precatórios”, lembra Lüders.