Comusa registra menor índice de perda de águas de sua história em 2019

Comusa registra menor índice de perda de águas de sua história em 2019

Linha de apoio
No comparativo histórico, autarquia reduziu em 15% suas perdas, ficando abaixo da média nacional e regional, com ações preventivas e investimentos
Publicado em 17/02/2020 - Editado em 19/02/2020
Válvulas reguladoras de pressão (VRPSs) ajudam a evitar o rompimento de tubulações
Crédito
Divulgação

A Comusa - Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo registrou, em 2019, o menor nível de perda de água em sua história. A medição, que vem sendo feita desde 2005 no programa de Controle de Perdas e contabiliza vazamentos, problemas com hidrômetros, rompimentos em tubulações antigas, nível de poluição do rio, ligações irregulares, entre outros fatores, apontou que a autarquia teve uma perda de 36,30%. O índice representa uma redução de 15% em relação ao começo do programa e redução de 0,5% em relação a 2018. Além disso, o índice também está abaixo da média nacional de perdas de água que, segundo o Sistema Nacional de Informações sobre o Saneamento (SNIS), é de 38,9% e abaixo da média para a região Sul, que é de 37,1%.

A redução significativa é resultado de uma série de investimentos da Comusa em infraestrutura da autarquia no tratamento e distribuição de água, como substituição de redes, renovação do parque de hidrômetros, manutenção e controle de válvulas reguladoras de pressão, programa de regularização de economias e melhorias na reservação e tratamento. “São obras como o programa de substituição de redes, que retomamos em 2017 e está substituindo as redes de ferro e fibrocimento antigas por novas tubulações de PEAD, um material de melhor qualidade e mais fácil de reparar. Só nesses últimos anos, atingimos mais de 60 quilômetros de novas redes em todo o Município, reduzindo os vazamentos e uma significativa perda de água”, comenta o diretor-geral da Comusa, Márcio Lüders, destacando que o programa de substituição de redes já atinge 42% de Novo Hamburgo com mais de 405 quilômetros de novas tubulações.

O case de sucesso também é destaque nas edições do Congresso Nacional de Saneamento (Assemae), onde a autarquia apresenta anualmente suas conquistas na redução de perdas, sempre com grande procura do público participante. “A utilização de 47 válvulas reguladoras de pressão (VRPSs), que abrangem um terço do Município e ajudam a evitar o rompimento de tubulações em horários de alto consumo, a setorização das redes, que facilita a operação de reparo e a agilidade da nossa equipe de manutenção de redes, que consegue evitar vazamentos mais prolongados. São ações como essa que nos ajudaram a reduzir essa perda de água e que vamos intensificar ainda mais para continuarmos reduzindo”, comenta Lüders.