Comusa implanta sistema de vídeomonitoramento com smartphones que seriam descartados

Comusa implanta sistema de vídeomonitoramento com smartphones que seriam descartados

Linha de apoio
Reutilização dos aparelhos tem auxiliado no tratamento da água, garantido a segurança das instalações e gerado economia à autarquia
Publicado em 03/05/2019 - Editado em 06/05/2019
Sistema de videomonitoramento já está em uso na autarquia
Crédito
Divulgação

A tecnologia se tornou uma aliada importante no tratamento da água e na conservação do patrimônio da Comusa Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo. A autarquia implantou um sistema de videomonitoramento em suas unidades que auxilia nos controles do tratamento e na vigilância dos diferentes endereços da Comusa. Para isso, nenhum grande investimento foi realizado.

Utilizando a criatividade e smartphones que seriam descartados, o setor de informática implantou um sistema com 22 pontos de monitoramento com baixíssimo custo. “Em grande parte são aparelhos velhos, com a tela quebrada, que teriam alto custo para voltar a serem utilizados de outra forma. Reutilizar esse material é uma ação que gera sustentabilidade ambiental e financeira para a Comusa”, lembra o diretor-geral, Márcio Lüders.

O sistema utiliza um software gratuito. A Estação de Tratamento de Água do bairro Rondônia recebeu 12 câmeras, sendo nove para vigilância do patrimônio e três para monitoramento do tratamento da água. Destas três, uma está direcionada para a entrada de água bruta na estação e outras duas acompanham dosadores de produtos na água. Além delas, outras quatro acompanham as movimentações no almoxarifado da autarquia no bairro Industrial.

Duas câmeras foram instaladas na captação de água, no Rio dos Sinos. Elas auxiliam as equipes da Comusa no monitoramento do nível do rio e da qualidade da água que desce pelo manancial. “Estamos utilizando a tecnologia a nosso favor para melhorar nossos processos, dar mais agilidade ao trabalho e reduzir custos. A Comusa tem buscado cada vez mais conscientizar a população sobre sustentabilidade e, para isso, começamos dando o nosso exemplo”, explica o Lüders.

REDUÇÃO DE CUSTOS - Além de implantar um sistema de vigilância eficiente e de baixo custo, a Comusa também está conseguindo otimizar processos e recursos com a iniciativa. Estruturas que antes demandavam a presença de servidores 24 horas passaram a ser monitoradas pelas câmeras. “Com isso podemos utilizar esse servidor em outras atividades, fazendo esse acompanhamento à distância”, complementa o diretor-geral da autarquia.