Uso do ArcGIS pela Secretaria de Segurança é destaque em evento da área de TI

Uso do ArcGIS pela Secretaria de Segurança é destaque em evento da área de TI

Publicado em 25/11/2019 - Editado em 27/11/2019
Secretário Roberto Jungthon apresentou a ferramenta no Seminário
Crédito
Divulgação

A utilização da plataforma ArcGIS na área da Segurança Pública pela Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo foi destaque no Seminário Esri Sul, realizado na quinta-feira, 21, em Porto Alegre. O secretário Roberto Jungthon abordou a evolução proporcionada pela solução tecnológica nas ações da Guarda Municipal (GMNH) e os planos para o uso do software pelo Observatório de Segurança.

O ArcGIS é uma plataforma online utilizada para gerenciar e georreferenciar informações, compartilhar e analisar dados espaciais. Ele fornece infraestrutura para criar mapas em camadas e buscar informações, permitindo ao usuário uma análise aprofundada.

Jungthon destacou os avanços na GMNH, que garantirá aos agentes mais agilidade na pronta resposta, no controle da frota e na consolidação de um banco de dados. “A compilação, a organização e a análise de dados através de plataformas online diminui custos, aumenta a assertividade e otimiza recursos humanos e materiais. Seremos mais rápidos e efetivos na prestação de serviços”, avaliou o secretário.

Ampliação do uso do ArcGIS

A Secretaria de Segurança de Novo Hamburgo (SEG) trabalha a implantação do software no Observatório de Segurança. A ação é fruto do processo de fortalecimento institucional promovido pelo Programa de Desenvolvimento Municipal Integrado (PDMI). A intenção da SEG é mapear dados criminais e não criminais, avaliando separadamente e em conjunto os mais diversos panoramas, visando a elaboração de estratégias e políticas públicas de maior efetividade.

Em breve, as informações estarão disponíveis a todos os cidadãos e aos gestores da área, em diferentes níveis. “O georreferenciamento permite o cruzamento de informações, gerando melhor compreensão da realidade local. Aqueles que trabalham na Segurança possuirão pleno acesso a todas as informações, sejam elas sigilosas ou de caráter público. Os demais cidadãos poderão acessar apenas dados considerados públicos. No entanto, o nível de detalhamento e a interface amigável representarão um avanço significativo”, acrescenta o secretário.