Novo Hamburgo amplia estrutura no Hospital Municipal para 35 leitos de UTI

Novo Hamburgo amplia estrutura no Hospital Municipal para 35 leitos de UTI

Publicado em 29/06/2020 - Editado em 06/07/2020
Leitos já estão habilitados no sistema do governo do Estado
Crédito
Divulgação

O Hospital Municipal de Novo Hamburgo concluiu a montagem de 15 novos leitos de UTI, aumentando em 150% a oferta deste tipo de leito exclusivamente dedicados à Covid-19. “Com isso, ampliamos de 10 para 25 leitos de UTI somente para Covid, além de outros 10 leitos de UTI que já tínhamos para outras patologias, o que totaliza 35 leitos de UTI na instituição”, enfatiza a prefeita Fátima Daudt.

Estes 15 novos leitos foram possíveis graças a intensos trabalhos de logística dentro do hospital. Esta nova estrutura já consta no sistema dachboard de ofertas de leitos hospitalares do governo do Estado.

Atendendo orientação da prefeita, a ampliação ocorreu porque o hospital aproveitou os cinco respiradores mecânicos encaminhados pelo governo do Estado na semana anterior e completou com remanejo de equipamentos próprios.

Outros 10 leitos locados junto à RTS Rio, mesma instituição que fornece para o Ministério da Saúde e governo do Estado, foram entregues entre quinta e sexta-feira, graças a insistentes contatos da Administração Municipal. “Conseguimos antecipar a entrega em cerca de 30 dias”, explica a prefeita.

O Hospital Municipal ainda mantém 79 leitos clínicos dedicados exclusivamente à Covid-19. A reestruturação era um movimento interno para isolar e consolidar estes leitos, o que foi concluído. A Prefeitura está deslocando equipes técnicas de unidades básicas de saúde (UBSs) e unidades de saúde da família (USFs) para atender à crescente demanda por profissionais de saúde no hospital. Mas nenhuma unidade será fechada nos bairros.

A Fundação de Saúde de Novo Hamburgo já publicou nove processos seletivos simplificados para a contratação de profissionais de saúde somente neste ano. O nono está com inscrições para médico intensivista rotineiro e médico plantonista de UTI, atendente de farmácia, auxiliar de serviços gerais, enfermeiro e fisioterapeuta. Infelizmente, sabe-se da falta de profissionais devido à alta demanda.